JUNTE-SE AOS NOSSOS SEQUIDORES !!!

Á MAIS VISITADA E COMENTADA DA SEMANA

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Ceará é segundo Estado em mortes por consumo de álcool





Os cearenses tiveram 0,77 morte por cada 100 mil pessoas, devido ao álcool, de 2006 a 2010, segundo pesquisa sobre drogas legais e ilegais

O Ceará, depois de Minas Gerais, é o Estado no País com maior número de pessoas mortas por alcoolismo. É o que revela estudo sobre óbitos por drogas legais ou ilegais, divulgado pelo Sistema de Informação sobre Mortalidade (Sim), do Ministério da Saúde. Adiantou que o consumo de bebidas alcoólicas é o campeão na mortandade. O uso de drogas em geral matou 40.692 pessoas no Brasil entre os anos 2006 e 2010, uma média de oito mil óbitos por ano.

O levantamento informa que a bebida tirou a vida de 34.573 habitantes, 84,9% dos casos informados por médicos em formulários que avisam o Governo federal sobre a causa da morte nesse grupo da população. Em segundo lugar, aparece o fumo, com 4.625 falecimentos, 11,3%. A cocaína liquidou pelo menos 354 pessoas no período.

Organizada pelo Observatório do Crack, da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a pesquisa apontou que, na comparação por gênero, há mais registros de morte de homens por álcool e fumo. 

Em cinco anos, 31.118 homens perderam a vida por causa da bebida. Outros 3.250 perderam a vida em casos associados diretamente ao cigarro. Na comparação da devastação por Estado, os mineiros lideram as mortes por álcool, com 0,82 morte para cada 100 mil habitantes, seguidos pelos cearenses, com 0,77 morte/100 mil pessoas. Depois aparecem os sergipanos, com 0,73/100 mil. São Paulo registra 0,53 morte para cada 100 mil habitantes.

O levantamento da CNM descobriu que, em São Paulo, houve 1.120 vítimas do uso abusivo do álcool em 2006. Em 2010, porém, o sistema registrou uma queda de 14% nas informações. O Sim alcançou 979 pessoas mortas por consumo de bebida. O Estado que menos apresentou perda de vidas por álcool foi o Amapá: quatro em 2006, dez em 2009 e cinco em 2010.

Quando a causa do óbito foi o fumo, o campeão de falecimentos de usuários foi o Rio Grande do Sul. A taxa de óbitos pelo tabaco chegou a 0,36 para cada 100 mil. A seguir, apareceram o Piauí e o Rio Grande do Norte, ambos com 0,33/100 mil. A duas principais drogas legalizadas no País, álcool e fumo, juntas, de acordo com o estudo, mataram 39.198 pessoas em cinco anos: ou 96,2% do total. Os técnicos da CNM alertaram, no entanto, que os dados de 2010 ainda são preliminares.

A declaração de óbito (DO) é composta por nove blocos e 62 variáveis que apontaram causa e local da morte. O preenchimento foi de responsabilidade do médico, conforme estabelecido pelos conselhos Federal e Estadual de Medicina.

Para o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, há uma urgente necessidade de combater o problema das drogas nos municípios. “E não se está fazendo isso. O problema estoura é nos municípios”, advertiu.Ziulkoski disse que a média de cerca de oito mil óbitos, encontrada no Sim, é um número subestimado. 

“Não há uma cultura de informação dos médicos”, acrescentou. Para ele, “o País precisa ver que a política de prevenção do uso de drogas é precária”. O estudo abrangeu dois mil municípios. (das agências de notícias)

 

Por quê

ENTENDA A NOTÍCIA

As autoridades estaduais de saúde precisam, agora, buscar explicações para o que a pesquisa apresenta. Mais do que isso, o governo deve buscar saídas para um problema que assume ares de calamidade entre nós.
 



O Povo Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...