JUNTE-SE AOS NOSSOS SEQUIDORES !!!

Á MAIS VISITADA E COMENTADA DA SEMANA

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Motociclistas lideram as mortes violentas no trânsito no Ceará




O número de mortes de motociclistas no Ceará passou de 258, em 2002, para 761 em 2011. Levantamento do Detran-CE também aponta que os motociclistas foram os que mais morreram nas vias do Estado no ano passado.

“Tudo aconteceu tão de repente”. Foi assim que Maria Geciane Xavier, 27, começou a desfiar o luto. A imprudência ceifou a vida do marido, Marcos Paulo dos Santos, 23, num sábado de outubro em 2010. “Ele pilotava a moto sem capacete. Morreu na hora”. 


O veículo era de um amigo. Marcos estava indo acertar o consórcio para comprar a própria moto. Tentava a vida em Fortaleza, enquanto a mulher e o filho o esperavam em Barreira, a 75,5 quilômetros da Capital. “Uma caçamba (caminhão) bateu nele. Não teve jeito”.

Entre 2002 e 2011, 4.106 pessoas morreram em acidentes de moto no Ceará, segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran-CE). Em dez anos, o crescimento foi de 194,9%.

Em 2002, das 1.289 mortes, 258 vítimas fatais estavam de moto. No ano passado, das 2.091 pessoas que morreram, 761 pilotavam motocicleta. O número, em 2011, corresponde a 36,39% dos acidentes fatais no trânsito. Isso quer dizer que, no ano passado, foram os motociclistas que mais morreram nas vias do Ceará. A estatística também foi a maior já registrada aqui desde 2002. Entre as vítimas fatais de acidentes de trânsito em 2011, a maioria foi homens, dos 30 a 59 anos.


Para órgãos de trânsito, o aumento da frota associado à imprudência contribuiu para o crescimento dos números. Em 2004, por exemplo, eram 282.826 motocicletas. O número correspondia a 31,7% da frota. Em 2011, subiu para 837.413, correspondendo a 43,1% do total de veículos. “Quanto mais carros, maior o conflito para conseguir um espaço na rua”, avaliou o chefe do núcleo de trânsito da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC), Arcelino Lima.

A professora do curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), campus Sobral, Gislene Macêdo, que pesquisa Mobilidade Humana, frisou que a moto surgiu como uma “boa” alternativa à mobilidade das vias. “Além do acesso à compra ser facilitado, a moto é mais ágil, mais veloz, mais econômica... Quem enfrenta o trânsito cotidiano tem mais fluidez no tráfego”.

Com o aumento da frota, segundo ela, o espaço reduz e quem está nas vias faz de tudo para ocupar o seu território. É nesse momento que atitudes de desrespeito às leis de trânsito se tornam comuns. “Costurar” entre os carros e não respeitar o limite de velocidade, por exemplo, colocam a vida de quem pilota em risco.

Segundo Arcelino Lima, pilotar entre os carros está entre as infrações mais cometidas por motociclistas, junto com a falta de uso do capacete. O POVO tentou ter acesso aos números, mas a assessoria de imprensa da AMC informou, por meio de nota, que o presidente Fernando Bezerra não estava permitindo que estatísticas sobre multas fossem repassadas.



Sem capacete
No ano passado, pilotar sem capacete foi a infração mais registrada pelo Detran - 23.040 motociclistas foram autuados. 


O cirurgião vascular Lineu Jucá, do Instituto Dr. José Frota (IJF), hospital referência em trauma, alertou que a maioria dos motociclistas morre por causa de traumatismo cranianoencefálico. A falta de capacete contribui para isso, na hora da queda. “É uma prática que facilmente pode levar à morte”.


O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...