JUNTE-SE AOS NOSSOS SEQUIDORES !!!

Á MAIS VISITADA E COMENTADA DA SEMANA

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Essa dupla incomoda muita gente

Dilma olha Cristina e vê: eu sou você amanhã


 
 
Afinidade entre Brasil e Argentina nunca foi tão grande como agora; lá, Cristina Kirchner se reelegeu com 70% dos votos, percentual semelhante ao dos brasileiros que, hoje, aprovam o governo Dilma; é a volta do efeito Orloff?


Na história de Brasil e Argentina, criou-se o mito do efeito Orloff: o que lá acontecia, pouco tempo depois se repetia no Brasil. Na década de 80, os argentinos fizeram, com Raul Alfonsín, um plano para estabilizar a economia, que, no Brasil, foi copiado por José Sarney com o Cruzado – ambos fracassaram. Na de 90, eles dolarizaram a economia com Carlos Menem e a ideia foi levada ao então presidente Fernando Collor pelo economista André Lara Resende – como Collor caiu antes, o Brasil escapou da feitiçaria.
 

Agora, Brasil e Argentina vivem momento de rara sintonia, com as presidentes Cristina Kirchner e Dilma Rousseff. Mais do que líderes de nações que se complementam economicamente, as duas são amigas pessoais. E têm conduzido agendas que, em vários pontos, são convergentes. Um exemplo é a Comissão da Verdade. Na Argentina, onde a ditadura foi mais aguda do que no Brasil, as punições também têm sido mais severas – lá, torturadores e até generais já foram julgados. Aqui, Dilma tem adotado uma posição mais cautelosa.
 

Na economia, no entanto, ambas têm dado demonstrações de coragem. O grande ato de Cristina foi a retomada do controle da petroleira YPF das mãos da espanhola Repsol – o que foi aprovado por praticamente toda a população argentina. No Brasil, Dilma conheceu hoje os resultados de uma pesquisa que ampliou seus índices de aprovação pessoal e isso foi motivado – em grande medida – por sua decisão de abrir guerra aos juros altos cobrados pelas instituições financeiras.


 
Hoje, Dilma é aprovada por 72% dos brasileiros e 77% avalizam o seu governo. Isso significa que ela tem grandes chances de obter uma reeleição consagradora em 2014, nos moldes da obtida por Cristina no ano passado – onde ela obteve 70% dos votos. Há, portanto, grandes chances de que o efeito Orloff se repita.
 

Mas muitos eleitores de Dilma, mais à esquerda, gostariam que ela se mirasse ainda mais no exemplo de Cristina. Além de punir generais e torturadores, a presidente argentina avançou mais em outros pontos, como na agenda da democratização dos meios de comunicação com a sua Ley de Medios. Uma lei que impede a concentração da propriedade da mídia nas mãos de poucas famílias, o que abriu uma guerra com o grupo Clarín. Aqui, embora um projeto nesses moldes tenha sido elaborado pelo ex-ministro Franklin Martins, ele foi engavetado por Paulo Bernardo.

 
De todo modo, a agenda argentina aos poucos se impõe no continente. Foi Cristina quem, hoje, em Mendoza, anunciou o ingresso da Venezuela no Mercosul. E partiram também da chancelaria argentina as posições mais duras em relação ao evento ocorrido no Paraguai na semana passada. Sem meias palavras, Cristina tratou como “golpe” a deposição de Fernando Lugo.
 

À sua maneira, mais discreta, Dilma tem parecido concordar com as posições argentinas. O Brasil é o gigante regional, mas os dois países hoje falam a mesma língua. E Cristina fala mais.
 
 
 
 
 
Brasil - Nem Ki Lask


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...